Antologia de textos com cães dentro.

quinta-feira, 23 de março de 2017

Num sequeiro sequer quente
acorre-me a memória do rio
que mima o mar
- cães vagueiam sozinhos na margem.

Curioso que os encaremos como
crianças abandonadas
- logo crianças,
adultos absolutos
dissolvidos pelo tempo e o outro -,
logo os cães,
descendentes do lobo.

Quando vi a minha primeira alforreca
interroguei-me como era possível semelhante abjecção.
Anos depois, encantou-me um aquário de medusas
azulmente eléctricas
- percebi que não percebia as coisas
e isso era bom.

Medusas, alforrecas e gente
conservariam o sabor metálico da morte eminente,
pois o meu tórax é a catacumba
onde se empilham os esqueletos
de todos os males e monstros
- quando praguejam em tosse seca,
a tua mão,
catedral universal da pequenância,
absolve-os com pancadinhas côncavas,
transforma-os em passarinhos
e eles voam.
Ofereço-te o espelho que me resta
para que o bebas.


Catarina Santiago Costa
Tártaro
Douda Correria
Maio de 2016

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

O FARRUSCO


(...)

Tinha um rafeiro de perna curta (o Farrusco), caçador exímio. Vivo e esperto. Tão vivo e esperto que irritava a minha avó materna, mulher quezilenta e envinagrada. Um dia que lhe conseguiu roubar duas chouriças de dentro de um tacho de barro de uma prateleira alta, sem que até hoje alguém saiba como conseguiu não partir o tacho que encontraram no chão já, a mulher teria perdido as estribeiras; deitando mão a uma broca de pedra que o meu avô usava na pedreira, desferiu o golpe mortal ao cão. E errou, por sorte dele.
Para lhe proteger a vida, para não ter que se zangar a sério com a mãe, o meu pai pediu a um amigo que lhe arranjasse dono para o cão. Longe, o mais longe possível. E o outro arranjou. Em Maria Vinagre a quase trezentos quilómetros (por estrada) dali. Lá o levou, numa camioneta Krupp, de noite, até ao local onde ia carregar barris de resina. E os meses passaram, o meu pai resignado, a minha avó esquecida do caso…
Até ao dia em que um outro aluno da mesma aldeia subiu ao andar de cima da escola de condução e interrompeu a aula de código. « Ó Baleizo! desce cá abaixo que tens ali uma visita!». Aflito, cuidando tratar-se de notícia de tragédia, morte de familiar ou coisa do género, o meu pai desceu. E ali estava o Farrusco. Magro, contente de reencontrar o dono. Até hoje ninguém sabe o percurso que fez durante as semanas que lhe durou a viagem de volta ao dono e a casa. Que pontes atravessou, que estradas ou carreiros tomou rumo a norte. Como soube que caminho tomar se a viagem de ida foi às escuras dentro do Camião. Como em toda Santarém descobriu pelo faro o rasto do dono até à escola de condução.

(...)


História completa aqui.

Etiquetas

Seguidores